Select Page

15 a 30 minutos de disciplina diária para se sentir bem na semana

por Patanga Cordeiro, baseado nos escritos de Sri Chinmoy

Inspirado por meus colegas de trabalho, fiz uma lista pequena de atividades para você fazer e que, espero, faça se sentir melhor e mais feliz em alguns aspectos. Segue:

 

  • Meditar e/ou orar 3 minutos de manhã nos 7 dias da semana, depois de acordar e/ou antes de dormir;
  • Fazer exercício físico 3 dias da semana (15-30 minutos);
  • Alongamento profundo por 3 minutos, 3 dias na semana, dos músculos que sentir tensos (ex. pescoço, costas);
  • Relaxamento por 3 minutos: deitado no chão duro, de costas e olhos fechados, imagine que cada parte do corpo relaxa e se esvazia, uma por vez;
  • Ler livros impressos em papel por 15 minutos, 5 dias na semana;
  • Sorria ao se olhar no espelho. Se lembrar, sorria mais vezes durante o dia;
  • Se conseguir, tente não falar mais do que o absolutamente necessário sobre o negativo – procure se concentrar mais e gastar mais tempo nas coisas boas, e
  • Faça coisas de criança que lhe tragam um sentimento de alegria inocente – brincar, molhar-se na chuva, comer um sorvete, etc.

 

Fazendo isso, provavelmente perceberemos uma mudança leve na forma com que olhamos as coisas – o que é mais importante, o que é menos importante, coisas do dia a dia que gastam muito tempo e são desnecessárias, coisas que são importantes e gostaríamos de fazer mais, etc.

A partir daí, podemos continuar, mudar, aumentar, etc o programa de acordo com o que sentimos necessário para si.

Pergunta: Seus ensinamentos podem ser recebidos por qualquer pessoa, ou é necessária alguma qualificação?

Pergunta: Seus ensinamentos podem ser recebidos por qualquer pessoa, ou é necessária alguma qualificação?

Sri Chinmoy: Para se tornar meu discípulo, em primeiro lugar é necessário ser muito sincero e dedicado. É necessário sentir que a vida espiritual não é a vida de prazer e conforto: é uma vida de sinceridade, simplicidade e perfeição. Qualquer buscador que seja sincero está pronto para a vida espiritual. No entanto, uma pessoa pode ser extremamente sincera e, ao mesmo tempo, pode não estar destinada ao nosso caminho.

O nosso caminho é o caminho do amor, devoção e entrega. Não dizemos que se alguém não segue o nosso caminho, essa pessoa não é adequada para a vida espiritual. Milhões de pessoas na Terra estão muito prontas para a vida espiritual, mas não são adequadas ao nosso caminho justamente porque não se interessam tanto pelo amor, devoção e entrega que queremos praticar nas nossas vidas. Mas eles se adequarão a vários outros Mestres espirituais e caminhos espirituais.

Escolher um caminho é como escolher uma universidade. Duas universidades podem ter um padrão igualmente elevado, mas uma será mais adequada a um certo aluno do que a outra. Mas ambas as universidades estão servindo a humanidade com conhecimento. De maneira similar, o nosso é um dos caminhos, e não o único caminho. É um caminho que leva até a Meta. Se você seguir outro caminho, certamente chegará no seu destino. O destino é sempre o mesmo.

De: The Inner Journey

O poder do agora

Sua alma tem uma missão especial.

Ela está supremamente consciente disso.

Maya, a ilusão ou esquecimento, faz você sentir que é finito, fraco, desamparado. Isso não é verdade. Você não é o corpo.

Você não é os sentidos. Você não é a mente. Eles são todos limitados.

Você é a alma, que é ilimitada. Sua alma é infinitamente poderosa.

Sua alma desafia o espaço e tempo.

Sri Chinmoy

 

yoga livrotexto por Bhumika Barros

Se pensarmos que noções como ‘espaço’ e ‘tempo’ são projeções da nossa mente, criadas para que pudéssemos funcionar de forma, digamos, organizada, na sociedade, fica na verdade fácil de entender que o ‘desafio’ do espaço-tempo pela alma, nada mais é do que a expressão de sua (da alma) liberdade eterna. A alma não pode ser amarrada a conceitos estabelecidos pelo mundo comum dos homens. Portanto o normal para ela não é considerar tais questões.

Sei que isso fica muito vago para nossa mente (talvez um pequeno mergulho na física quântica ajudaria a clarear o assunto). Mas, aceite isso: você não é só o que é palpável. Há todo um mundo oculto, que, eu diria, vivemos também, mesmo que não conscientemente. Portanto, quando dizemos “ah, agora não, vou deixar para fazer isso mais tarde” (seja lá o que for), estamos nos conectando equivocadamente com o tempo eterno, aquele que faz parte do mundo da alma, mas não dos homens. A alma, na verdade, tem urgência em se expressar, se revelar, pois ela é uma fagulha da própria divindade! Nós, seres humanos, esquecidos que somos de nossa alma perfeita, é que usamos o tempo eterno para adiarmos e adiarmos nossas tarefas, nosso conhecimento, nossas aspirações, nossa realização.

Eu poderia estar falando de nossos objetivos comuns de vida, tais como, profissionais, relacionais etc. Conquistas que queremos alcançar na vida, mas que ainda assim, adiamos, nessa conexão equivocada com o tempo eterno (já que temos um tempo limitado de atuação nessa vida, pois perecemos, como corpo físico). Mas estou falando de algo maior, da missão que todos viemos realizar aqui, que é a revelação de que somos seres divinos, habitando um corpo humano. Que missão, não é? Pois a adiamos também. E como! Adiamos ainda que sem perceber, tudo nessa nossa vida, seja a de objetivos comuns ou a de objetivos divinos. Como? Simplesmente porque nunca estamos presentes em nada que fazemos. Já notaram? Estamos sempre no ontem ou no amanhã. Quantas vezes nos pegamos (e observar isso já seria bom) pensando no problema de ontem (e não raramente, esse ontem já está num passado bem distante…) e projetando coisas para o amanhã (projeções para daqui a cinco anos, por exemplo). Quantas vezes estamos realmente conectados com o presente? Com o que estamos fazendo e aonde estamos neste exato momento? Essa verdadeira ‘fuga’ do presente nos leva para uma vida que só existe na nossa mente e não na realidade. Na realidade, podemos estar simplesmente jantando, e isso é tudo que deveria existir, é a nossa verdade. Pensem nisso…Se pudermos viver cada realidade de uma vez, ao invés de pensarmos na que já foi ou na que poderá ser, estaremos mais próximos dos objetivos de nossa alma, que é mostrar sua face divina, pois as fugas só nos afastam de nós mesmos, já que não somos mais o que fomos um dia e não somos ainda o que iremos ser. Viver o presente, viver no presente é o nosso desafio humano para ajudar a alma a desafiar o tempo-espaço.

Apresento pois, o texto a seguir, de Sri Chinmoy, que exalta simplesmente…o Agora!

O agora

Estamos sempre dispostos a dizer que não é muito tarde para fazer alguma coisa, mas falamos que não é muito cedo para fazer algo? Não é muito cedo para fazer qualquer coisa na vida. Não é muito cedo para rezar nas primeiras horas da manhã. Não é muito cedo para realizar Deus. Não é muito cedo para revelá-Lo. Não é muito cedo para manifestá-Lo. O quão cedo realizarmos Deus, revelarmos Deus e manifestarmos Deus, mais cedo teremos um novo começo, apontando para uma meta mais elevada, mais iluminada e mais satisfatória.

Na vida espiritual não há tal coisa como, cedo. Esse momento, o Agora eterno, é o único salvador, único libertador e único preenchedor. Levantar de manhã cedo, às três da manhã, é uma tarefa difícil. Mas se você disser que é muito cedo, então eu direi que está enganado. Você está enganado, porque o que chama de cedo ou tarde, é decidido pela sua mente. É uma descoberta da sua mente, de que três da manhã é cedo e seis da manhã é tarde. É a mente que lhe diz que três da manhã é muito cedo e oito da manhã é muito tarde.

Se for além da mente, não haverá tal coisa como cedo ou tarde. Haverá apenas uma hora, que é a Hora de Deus. E onde está a Hora de Deus? Está dentro do Agora. O que é o Agora? O Agora é Deus-a Preparação, Deus-a Aspiração, Deus-a Evolução e Deus-a Perfeição sempre-transcendente.

1:15pm

20 de Julho de 1977

Centro Sri Chinmoy

Jamaica, Nova York

 

Na prática, de que forma uma pessoa deve buscar aprender a meditar?

Pergunta: Falando praticamente, de que forma uma pessoa deve buscar aprender a meditar?

Sri Chinmoy: Para iniciar, se a pessoa não tiver um professor e nem quiser ter um, ela tem que ler alguns livros espirituais escritos por Mestres espirituais que tenham realizado Deus, não por simples professores. Se você ler livros escritos por Mestres espirituais verdadeiros, obterá inspiração. Quando lê os livros escritos por vários Mestres, seus escritos estarão carregados com a consciência divina e a luz deles. Essa consciência entrará em você e o inspirará. Mas chegará um momento em que vai sentir a necessidade de aprender diretamente de alguém que já sabem como meditar. Nessa hora, terá que ter a ajuda de um guia espiritual.

Se você quiser aspirar intensamente e meditar regularmente, precisa de mais inspiração e aspiração. Isso tem que vir de um Mestre espiritual em quem tenha fé implícita. Só a presença Dele vai lhe dar inspiração e aspiração abundantes. Você pode falar com Ele ou, se Ele o aceitou no Seu caminho, interiormente e silenciosamente, Ele poderá lhe ensinar a meditar. Ele próprio irá meditar em você. Se Ele meditar em você por um minuto ou dois diariamente, lhe dará a capacidade de meditar por meia hora ou uma hora por dia. É o Mestre quem aumenta o poder da meditação e da aspiração no buscador.

Mas para começar no campo da meditação, eu lhe aconselho a ler livros. Quando sentir que não recebe inspiração suficiente dos livros, mesmo escritos por Mestres espirituais, deve procurar por buscadores que já encontraram algum caminho espiritual. A reunião deles é chamada satsanga – a companhia de buscadores sinceros. Se estiver com eles, conversar, se misturar com eles, da inspiração e aspiração deles, você obterá a sua prórpia força para meditar. Por fim, quando tiver o seu próprio Mestre, verá o quão rápido será capaz de progredir.

 

Lista de ideias e inspiração para se manter conectado

Nunca desista! Continue praticando e se inspirando a seguir em frente!

Fizemos uma listinha de sugestões para quem já fez o curso e gostaria de continuar se aprofundando ou reviver alguns momentos. Como sempre, tudo é gratuito! Fica um testinho também: você consegue aproveitar um pouco de cada uma das as páginas sugeridas abaixo?

E, se ainda não fez, deixe um comentário sobre o curso de meditação!


Vídeo do curso: preparamos um vídeo que é uma espécie de reprise do curso que damos em quatro aulas, com 4 novos exercícios de meditação inseridos. Temos também outros vídeos inspiradores ou para meditação. Temos uma lista de filmes inspiradores sobre diversos Mestres espirituais e sobre a busca interior.

Música para meditação (inclusive os mantras do curso) e

Poesia e mensagens inspiradoras (diariamente) ou em app de celular com meditações diárias

Ensinando os outros a meditar: por exemplo, você pode indicar nossos cursos ou ver a popular página meditação para crianças. Falando em crianças, que tal uns temas espirituais em quadrinhos?

Livros impressos ou online: se quiser ter os livros impressos, temos mais de vinte títulos em português para venda (pois eles nos custam). No Sri Chinmoy Library está 99% dos 1700 livros que Sri Chinmoy escreveu para leitura gratuita, em inglês, naturalmente. Há também uma seção com livros em português, também gratuito.

Lista de páginas selecionadas sobre diversos temas:

Meditar de olhos abertos ou meditar de olhos fechados?

sri chinmoy samadhi

Olhos abertos versus olhos fechados

– Sri Chinmoy, do livro Meditação

Muitas vezes as pessoas me perguntam se devem meditar de olhos abertos. Em noventa por cento dos casos, aqueles que mantêm os olhos fechados durante a meditação acabam dormindo; conseguem meditar por cinco minutos, e durante quinze, ficam no mundo do sono. Não há energia dinâmica, mas sim letargia, complacência e uma espécie de sensação doce, repousante.

Ao manter seus olhos fechados durante a meditação e entrar no mundo do sono, você pode ficar entretido com todos os tipos de fantasia. Sua imaginação fértil pode fazê-lo sentir que está entrando nos mundos mais elevados. Existem muitas maneiras de acreditar que está tendo uma meditação maravilhosa. Assim, é melhor meditar com os olhos semiabertos. Desse modo, você ficará na raiz e no ramo mais alto ao mesmo tempo. A parte que tem os olhos meio abertos é a raiz, simbolizando a Mãe-Terra. A parte que tem os olhos meio fechados é o ramo mais alto, o mundo da visão ou, digamos, o Céu. Sua consciência estará no nível mais elevado, mas também aqui na Terra, tentando transformar o mundo.

Quando medita com os olhos semiabertos, você está praticando o que é chamado de “meditação do leão”. Mesmo se estiver profundamente mergulhado em si mesmo, você focará a sua atenção consciente tanto no plano físico quanto no subconsciente. Tanto o mundo físico, com seus ruídos e distrações, como o mundo subconsciente, o mundo do sono, o estão convidando. Entretanto, você está vencendo os dois. Você está dizendo: “Estou atento. Vocês não podem me levar para os seus domínios”. Já que os seus olhos estão parcialmente abertos, você não vai dormir. Portanto, você está desafiando o mundo do subconsciente. Ao mesmo tempo, está controlando o plano físico, porque pode ver o que está acontecendo ao seu redor.

 

 

Meditação de olhos abertos, fechados ou entreabertos?

Comentário por Patanga Cordeiro

Olhos abertos, sempre! (Na verdade, entreabertos)

Essa é uma pergunta muito comum mesmo. Costumo ouvir essa pergunta mais ou menos umas duas ou três vezes por mês, de uma forma ou de outra. Quando você for aprender a tocar um instrumento musical, a postura das mãos pode ser incômoda, mas logo se acostumará e se tornará um bom músico. Se começar errado, o seu progresso irá obstar em algum momento e você terá que recomeçar com a posição correta. Por isso, a meditação se faz sempre de olhos abertos!

Por que não meditar de olhos fechados?

Porque se fechar os olhos, o seu corpo pensa que é hora de relaxar, dormir ou divagar. Meditação é para você elevar a sua consciência, crescer em percepção de uma realidade na qual não prestamos atenção diariamente. Dormir, relaxar ou divagar é o processo inverso.

Por que meditar de olhos abertos? (na verdade, entreabertos)

De olhos abertos, você consegue enxergar o seu ambiente. Assim, sabe que está desperto, ativo. O que não quer dizer que vai ficar pensando nas mesmas coisas do seu dia.

Repare nas estátuas do Buda e na foto de Mestres espirituais modernos… todos de olhos entreabertos em meditação.

lahiri mahasayasri-ramakrishnabuda samadhi nirvana

E porque deixá-los entreabertos?

Com os olhos todo abertos, fica mais difícil piscar sem perder a concentração, além de que você enxerga bastante do ambiente. Com os olhos entreabertos, seu rosto fica mais relaxado, e menos informação chega até você. Ainda assim, você está alerta. Essa é a melhor posição dos olhos para meditar. Uma dica é não forçar os olhos para deixa-los entreabertos. Apenas relaxe as pálpebras, e o que for natural provavelmente será ideal. Algumas pessoas ficam com os olhos quase fechados, e outras quase abertos. O que for natural para você provavelmente será ideal.

 


Exercícios de meditação com olhos abertos

Do livro Meditação, de Sri Chinmoy

 

O ponto. Se você quiser desenvolver o poder de concentração, pode tentar este exercício. Primeiro, lave bem o rosto e os olhos com água fria. Então desenhe um ponto preto na parede, na altura dos olhos. Encare o ponto, mais ou menos a uns trinta centímetros de distância, e concentre-se nele. Após alguns minutos, tente sentir que, ao inspirar, na verdade, a sua respiração está vindo do ponto, e que ele também está inspirando, recebendo a respiração de você. Tente sentir que existem duas pessoas: você e o ponto preto. Sua respiração está vindo do ponto e a respiração dele está vindo de você.

Em dez minutos, se a sua concentração for muito poderosa, você sentirá que a sua alma o deixou e entrou no ponto preto da parede. Nesse momento, tente sentir que você e a sua alma estão conversando. Sua alma o está levando para o mundo dela, para a realização, e você está trazendo a alma para o mundo físico, para a manifestação. Desse modo você poderá desenvolver o seu poder de concentração com muita facilidade. Contudo, esse método precisa ser praticado. Há muitas coisas que são bem fáceis quando praticadas. Entretanto, por não as praticarmos, não conseguimos o resultado.

 

Visão e realidade. Outro exercício que você pode tentar é o seguinte: primeiro, faça um círculo bem pequeno na parede, na altura dos olhos. Dentro dele, desenhe um ponto preto. Ele deve ser preto; nem azul, nem vermelho, nem de qualquer outra cor. Então encare a parede, a cerca de um metro de distância, e focalize a sua atenção no círculo. Seus olhos devem ficar relaxados e semiabertos. Deixe que a força de sua concentração venha do meio da sua testa. Depois de três ou quatro minutos, abra totalmente os olhos e tente sentir que, da cabeça aos pés, você é todo olhos. Toda a sua existência física nada mais é senão visão, e essa visão está focalizada no ponto dentro do círculo. Então comece a fazer com que o objeto de sua concentração se torne cada vez menor. Após alguns segundos, tente sentir que o seu corpo inteiro se tornou tão pequeno quanto o ponto na parede. Tente sentir que o ponto é uma outra parte de você. Então entre no ponto, atravesse-o e vá até o outro lado. Do outro lado do ponto, olhe para trás e veja o seu próprio corpo. Seu corpo físico está de um lado. Entretanto, com a força da sua concentração, você enviou o seu corpo sutil para o outro lado do ponto. Por meio do seu corpo sutil, você está vendo o seu corpo físico. E, por meio do seu corpo físico, você está vendo o seu corpo sutil.

Quando começou a se concentrar, o seu corpo físico se transformou totalmente em visão. Nesse momento, o ponto era a sua realidade. Quando você entrou no ponto, a visão e a realidade tornaram-se uma só coisa. Você era a visão e também a realidade. Mas, ao olhar para si mesmo a partir do ponto, o processo foi invertido. Nesse momento você se transformou na visão externa de si mesmo, e o lugar ao qual retornou – o seu corpo – era a realidade. Assim a visão e a realidade tornaram-se uma só coisa novamente. Quando você pode enxergar a visão e a realidade desse modo, a sua concentração é totalmente perfeita. Quando o seu poder de concentração puder levá-lo para o outro lado do ponto – que você chamava de realidade – toda a sua existência estará muito além da visão e da realidade. E, ao sentir que transcendeu as a sua visão e a sua realidade, você terá poder ilimitado.

Se você for um discípulo meu, ao se concentrar no ponto preto dentro do círculo, poderá tentar ver o seu próprio ser ali – a sua face de aspiração. Sinta que você existe só ali e em nenhum outro lugar. Então procure sentir que a sua existência, a sua face, a sua consciência – tudo – foi substituído pela minha. Uma vez que sinta que a toda a sua existência anterior foi completamente substituída pela minha, terá estabelecido a sua unicidade inseparável comigo, e certamente a minha força de vontade entrará na sua vida.

 

A flor interior. Para este exercício, você precisará de uma flor. Com os olhos semi-abertos, olhe para a flor inteira por alguns segundos. Enquanto estiver se concentrando, tente sentir que você mesmo é a flor. Ao mesmo tempo, tente sentir que ela está crescendo nos recônditos mais profundos do seu coração. Sinta que você é a flor, e que está crescendo dentro do seu coração.

Gradualmente tente se concentrar numa única pétala. Sinta que a pétala que você escolheu é a forma-semente da sua existência-realidade. Depois de alguns minutos, concentre-se na flor inteira de novo, e sinta que ela é a Realidade Universal. Desse modo, siga de uma coisa para a outra, primeiro se concentrando na pétala – a forma-semente da sua realidade – e então na flor inteira – a Realidade Universal. Enquanto estiver fazendo isso, não permita que nenhum pensamento entre na sua mente. Procure deixá-la totalmente calma, silenciosa e tranquila.

Depois de algum tempo, feche os olhos e tente ver a flor em que estava se concentrando dentro do seu coração. Da mesma maneira que você se concentrou na flor física, concentre-se na flor dentro do seu coração, com os olhos fechados.

 

A vastidão do céu. Mantenha os olhos semiabertos e imagine o vasto céu. No começo, tente sentir que o céu está diante de você. Mais tarde, tente sentir que você é tão vasto quanto o céu ou que é a próprio vasto céu.

Depois de alguns minutos, feche os olhos e tente ver e sentir o céu dentro do seu coração. Sinta que você é o coração universal, e que dentro de si mesmo está o céu no qual meditou e com o qual se identificou. O seu coração espiritual é infinitamente mais vasto do que o céu. Portanto, você pode facilmente abrigar o firmamento dentro de si.

 

Curso de meditação online em vídeo

Play video

Minicurso em vídeo


Este material foi preparado para quem quer começar a praticar e se aprofundar na busca interior antes mesmo do curso começar. Além da parte teórica e filosófica, tem 4 exercícios.

É como se fosse o nosso curso de quatro aulas de 2 horas condensado num video único de 2 horas e meia. É o vídeo mais recomendado por nós para quem está aprendendo ou querendo aprender a meditar.

Play video

Acima está um minicurso de meditação para você começar já a praticar. Assista aqui ou faça o download gratuito do vídeo em mp4.

Com quatro exercícios práticos diferentes e toda a teoria da meditação, preparamos uma aula com Sri Chinmoy indo desde as técnicas básicas até o propósito e metas finais da meditação: a perfeição completa, a iluminação e a transformação do mundo a partir do indivíduo. Esperamos que assistindo esse vídeo você possa além de começar a praticar a meditação hoje mesmo, tenha também uma imersão nos princípios da busca interior por satisfação verdadeira e felicidade. Que este vídeo seja apenas um início de algo muito vasto e precioso na sua vida.

Os tópicos desta aula são:

  • Como começar a meditar
    Exercício de meditação
    Horário e importância
    Exercício de meditação guiada
    Poemas meditativos
    Concentração e meditação
    Pontualidade e regularidade
    Oração e meditação
    Música e mantra
    Exercício curto de meditação
    Mestres espirituais
    Dieta vegetariana, álcool e drogas
    Realização-Deus ou iluminação
    Técnica de meditação guiada
    Arte e poesia para meditação
    Sri Chinmoy
    Esportes
    Os Centros Sri Chinmoy
    Filosofia para os tempos modernos

2016/MAR – SP, Rio e Niterói – Curso para aprender a meditar em inglês

mensagens para o diaEm março de 2016 ofereceremos um curso gratuito de meditação em inglês, dado pelo nosso colega Kritartha Brada. Kritartha é da República Tcheca, pratica a meditação há 20 anos, é empresário, atleta e músico.

Ele estará no Brasil especialmente para dar os cursos, que serão em inglês, com tradução. Ele dará cursos em São Paulo, Rio de Janeiro e Niterói

Para participar, acesse a página de contato do

2015-DEZ | Curso de meditação grátis em São Paulo

curso meditacao em sao paulo

DEZ/2015 | Curso de meditação gratuito em SP


No início de dezembro ofereceremos o último curso deste ano. Todos estão convidados.

Abordaremos exercícios de meditação, técnicas de respiração, mantras e música para meditação.

Também daremos dicas para você ter uma boa meditação e como praticar em casa diariamente.

Para participar das aulas para aprender a meditar, acesse a página de contato de SP.

Ensinando meditação para crianças

Meditação para crianças

Videos de meditação guiada para crianças:


Meditação narrada por e para crianças – “Um Jardim Florido” por Sri Chinmoy

Play video

Versão sem narração

 

Meditação guiada para crianças – “O Barco Dourado” por Sri Chinmoy

Play video

Versão sem narração

 

Música para meditação para crianças (espiritual, mas ao mesmo tempo divertido)

Play video

livro meditacao para criancas

Um guia para pais e filhos

Este livro ensina como os pais podem compartilhar a meditação com os filhos, aspectos educacionais, ABCs da meditação para adultos e crianças e mais. Também possui uma seção de leituras para crianças.

Editora agbook, 34 reais

Livro recomendado

Uma mini meditação para crianças

“Para a meditação, ela deve se sentar e ficar tranquila e em silêncio. Quando estiver assim, imediatamente ela sentirá que está meditando. Essa ação concreta a levará a algo que é abstrato. Você pode ensinar uma criança através de ações exteriores, mas não deixe de enfatizar o sentimento interior. Quando começar a sentir alegria, paz e amor, gradualmente ela se tornará a alegria, paz, amor e tudo o mais que estiver sentindo. E quando sente algo, como aquilo pode permanecer abstrato?”

Sri Chinmoy

Meditação para crianças


artigo por Patanga Cordeiro, baseado nos ensinamentos de Sri Chinmoy

Se você quiser explicar meditação para uma criança pequena, não tente explicar apenas com o físico. Diga a ela que a oração é algo totalmente diferente de simplesmente ficar de mãos postas e olhar para cima. Diga a ela que a oração é algo que acontece no interior. Mas, se ela quiser enxergar ou sentir isso, precisará ficar de mãos postas. Você pode explicar para uma criança que a oração é algo que ela sentirá quando colocar as mãos postas e falar com Deus. Então, quando ela juntar as mãos e sentir algo no interior – seja reverência, amor, doçura ou suavidade -, a oração não lhe será mais algo abstrato. Será uma realidade.

Para a meditação, ela deve se sentar e ficar tranquila e em silêncio. Quando estiver assim, imediatamente ela sentirá que está meditando. Essa ação concreta a levará a algo que é abstrato. Você pode ensinar uma criança através de ações exteriores, mas não deixe de enfatizar o sentimento interior. Quando começar a sentir alegria, paz e amor, gradualmente ela se tornará a alegria, paz, amor e tudo o mais que estiver sentindo. E quando sentir algo, como aquilo pode permanecer abstrato?

Como começar a meditar


Por que ensinar crianças a meditar?

A primeira coisa que devemos saber antes de ensinar meditação para crianças é se nós mesmos queremos meditar.

Muitas vezes, a idéia de ensinar meditação às crianças vem de um desejo de solucionar uma situação exterior – inquietação, falta de atenção, TDAH, etc. Mas já sabemos da medicina que os remédios não curam doenças. Eles removem os sintomas, e o corpo, quando tiver forças, irá transformar a causa da doença.

Com a meditação é igual. Os problemas do ser humano (sejam adultos ou crianças) vêm de dentro dele mesmo. Se ele estiver disposto a lutar e transformar essas situações, naturalmente isso se refletirá no mundo ao seu redor – incluindo, talvez, as suas crianças e filhos.

Na prática: como começar

No início, o melhor é deixar primeiro que elas o vejam meditar. O coração espiritual das crianças é mais disponível do que o dos adultos em geral e, por isso, ela vai aprender a meditar rapidamente ao observar você praticando. Se ela conseguir ficar quieta, deixe que ela fique sentada com você durante a sua meditação. Mas simplesmente ver você diariamente meditar já será um começo.

Ensinando as crianças através do exemplo é justamente como quando você quiser ensinar qualquer coisa a alguém – desenhar, escrever ou meditar -, você mesmo precisa fazer aquilo. Se disser às crianças que “eu não preciso, mas você precisa” ou “eu posso fazer, mas você não pode”, isso não irá instigar confiança nelas. É como se você estivesse vendendo algo que não compraria.

Um exercício super simples para crianças

Para a meditação, ela deve se sentar e ficar tranquila e em silêncio. Quando estiver assim, imediatamente ela sentirá que está meditando. Essa ação concreta a levará a algo que é abstrato. Você pode ensinar uma criança através de ações exteriores, mas não deixe de enfatizar o sentimento interior. Quando começar a sentir alegria, paz e amor, gradualmente ela se tornará a alegria, paz, amor e tudo o mais que estiver sentindo. E quando sente algo, como aquilo pode permanecer abstrato? – Sri Chinmoy

Para crianças muito pequenas: oração ou meditação?

Quando as crianças ainda são muito pequenas, o melhor é ensinar primeiro a oração. Ensine-as a orar, a sentir Deus como alguém muito próximo, a quem elas podem sempre recorrer. Alguém tão próximo que mora dentro do coração delas. Não tente explicar Deus como um homem velho que mora num lugar distante. Essa é a explicação de uma mente adulta que se acredita responsável por si própria. Uma criança deve enxergar Deus como uma criança, um amigo que mora no seu coração e virá brincar com ela.

Meditação na sala de aula – ensinando as crianças e alunos a meditar

Recentemente conversei com um professor do ensino fundamental nos Estados Unidos, que é meu amigo e pratica a meditação há décadas. Perguntei a ele sobre a sua experiência em ensinar crianças a praticar meditação, e ele deu as dicas a seguir.

  • As crianças sabem meditar – as crianças tem um coração muito espontâneo, então não precisam de técnicas complicadas. Elas só precisam de um pouquinho de silêncio.
  • Para isso, basta propor que todos ficarão de olhos fechados por um minuto (ou mesmo 30 segundos), sem se mexer. O simples fato de estarem se esforçando para ficarem quietas já é um exercício de concentração em si.
  • Pode ajudar também fazer disso um tipo de desafio – quem vai conseguir ficar 30 segundos sem se mexer, sem falar, sem rir?

Mais temas


Faça-as sentir felizes

Às vezes as pessoas podem perguntar se TDAH tem cura, se déficit de atenção tem solução. Se podem fazer relaxamento para as crianças pararem de brincar ou colocar músicas para dormir. Mas isso é em primeiro lugar para o descanso dos pais e próximos, e não para o bem das crianças.

O que uma criança precisa saber é que ela é um ser bom e divino. Explique que, como Deus, também ela está destinada a ser divina e bela. Isso fará com que ela se sinta feliz, e possivelmente amada e segura. Isso abrirá portas interiores para que a luz do seu coração e alma venha à tona e tente transformar quaisquer imperfeições do interior.

 

Quando ensinar meditação? Com que idade ensinar a meditar?

Os verdadeiros pais ensinam antes de elas perguntarem – Às vezes também as pessoas podem se questionar sobre quando se deve falar sobre espiritualidade com as crianças. A resposta é bem simples: o quanto antes. Se você pensa que a criança deve primeiro crescer para depois escolher que forma de espiritualidade ela seguirá, talvez cresça desacostumada de qualquer coisa e nunca tenha interesse. O nosso dever é sempre fazer o melhor que está ao nosso alcance e de acordo com a nossa melhor compreensão. Se a criança crescer e quiser mudar, então ela terá a maturidade suficiente para escolher o que sente melhor para si nessa hora.

 

Textos de Sri Chinmoy sobre as crianças

Is God our Father?

Sri Chinmoy: God is our Father if we love our father more than we love our mother. God is our Mother if we love our mother more than we love our father. But if we love our father and mother equally, then God is both our Father and Mother.

Sri Chinmoy, Children: God’s Dream-Blossoms, Agni Press, 1997

 

Max conversa com Deus:

“Deus, qual é o Seu verdadeiro nome?

“Meu nome de verdade é Max.”

“Esse é o meu nome. Eu não vou dar a Você o meu nome.”

“Então qual nome você quer que Eu tenha?”

“Quero que Você se chame Água.”

“Água! Que ótimo nome. De agora em diante, se você Me chamar por esse nome, Eu responderei.”

“Deus, vou Lhe contar um segredo. A minha mãe me ensinou que o outro nome da Água é Vida.”

“Agora, Minha criança, Eu lhe contarei outro segredo. Um outro nome para Vida é Deus.”

“Posso contar esse segredo à minha mãe?”

“Certamente você pode.”

“Muito obrigado, Deus, por me contar um grande segredo.”

Sri Chinmoy, Children’s conversations with God, Agni Press, 1971

 

Lista de recursos sobre meditação para crianças

 

 

 

30+ VÍDEOS sobre meditação e espiritualidade

Página nova: Filmes espirituais e inspiradores!

Como saber se estou meditando bem?

sri-chinmoy-aforismo-rosa2.jpgO que é uma boa meditação?

por Sri Chinmoy, do livro Meditação
Muitas vezes, os buscadores perguntam como podem afirmar se estão meditando corretamente, ou apenas se iludindo ou tendo alucinações mentais. É muito fácil saber. Se você estiver meditando corretamente, terá uma alegria interior espontânea. Ninguém deu nenhuma notícia boa, ninguém trouxe presentes, ninguém o apreciou ou o admirou, ninguém fez nada por você. Entretanto, você tem um sentimento interior de alegria. Se isso acontecer, saberá que está meditando da maneira correta. No entanto, se sentir uma tensão ou perturbação mental, saberá que essa meditação que está praticando não é apropriada para você.
Se você estiver tendo uma alucinação mental, sentirá que existe paz por dentro e agitação no exterior. Você anseia por paz, luz e bem-aventurança, mas exteriormente está sentindo uma turbulência vulcânica. Se estiver tendo uma meditação verdadeira, uma meditação feita com toda a alma, então com certeza vai sentir paz tanto interior como exteriormente. Se estiver meditando com toda a alma, você vai sentir a sua existência eterna. Sentirá que é da Eternidade e para a Eternidade. Você não consegue obter esse sentimento com uma alucinação mental.
Há também outra maneira de saber. Se você estiver entrando num plano mais elevado, sentirá que o seu corpo está ficando muito leve. Embora você não tenha asas, vai sentir que quase pode voar. De fato, ao atingir um mundo muito elevado, você verá um pássaro dentro de si mesmo, que pode facilmente voar, exatamente como os pássaros de verdade.
sri-chinmoy-aforismo-poente.jpgSe for a sua imaginação, você vai ter um sentimento muito doce por alguns minutos. Então, imediatamente pensamentos obscuros e frustrantes aparecerão. Você dirá: “Eu estudei muito, mas não fui bem na prova”, ou “Hoje no escritório eu trabalhei muito, mas não consegui agradar ao meu chefe”. Essas forças negativas, na forma de frustração, entrarão no mesmo instante. Ou a dúvida vai entrar, e talvez você diga: “Como posso meditar tão bem se ontem mesmo fiz tantas coisas erradas? Como Deus pode ficar satisfeito comigo? Como posso ter uma meditação elevada?” Entretanto, se for uma meditação realmente elevada, você vai sentir que a sua existência inteira, como um pássaro divino, está voando para o alto, para o mais alto, para o altíssimo. Ao ter esse sentimento, não haverá pensamentos tristes, idéias frustrantes e nem dúvidas. Você estará voando no céu de pleno prazer, onde tudo é alegria, paz e felicidade.
Você também pode saber se teve uma boa meditação pelo modo como se sente depois. Se a paz, a luz, o amor e a alegria vieram à tona como resultado da sua meditação, você saberá que meditou bem. Se tiver um sentimento bom pelo mundo, se encarar o planeta de uma maneira amorosa apesar das enormes imperfeições dele, saberá que a sua meditação foi boa. E se você tiver um sentimento dinâmico logo depois da meditação, se sentir que veio ao mundo para fazer e para transformar-se em algo – evoluir na própria imagem de Deus e tornar-se um instrumento dedicado dele – isso vai indicar que teve uma boa meditação. Mas o modo mais fácil de saber se teve uma boa meditação é sentir se a paz, a luz, o amor e o deleite vieram à tona.
Você está mais do que pronto agora, porque o seu pássaro-aspiração está voando bem acima das nuvens de confusão de sua mente, que o escravizam e o cegam.

 

srichinmoy-aforismo-rosa.jpgNão fique desanimado

por Sri Chinmoy, do livro Meditação
Por favor, não fique desanimado se não conseguir meditar bem no começo. Mesmo na vida comum, só Deus sabe quantos anos precisamos praticar para ficarmos muito bons em alguma coisa. Quando um exímio pianista se lembra do nível em que estava quando começou a tocar, ele ri. Ele atingiu o seu atual nível musical mediante um progresso gradual. Na vida espiritual, no início você pode achar difícil meditar. Mas não tente se forçar. Dez minutos de manhã cedo são suficientes. Aos poucos, sua capacidade vai aumentar. Se você praticar todos os dias, fará progresso em sua vida interior.
Você também não pode fazer uma refeição deliciosa todos os dias. Hoje, talvez consuma um alimento delicioso, e então por três ou quatro dias pode comer uma comida muito simples. Todavia, contanto que você coma, saberá que está sustentando o seu corpo. Do mesmo modo, se num dia tiver uma meditação boa, e no dia seguinte perceber que não consegue meditar bem, não fique frustrado, e não tente forçar a sua meditação. Quando a hora de meditar chegar ao fim, não fique triste, nem mesmo por um instante, por não ter conseguido uma boa meditação. Se você ficar insatisfeito consigo mesmo, está cometendo um grande erro. Se não conseguir meditar em algum dia específico, tente deixar a responsabilidade com Deus. Se não puder meditar bem alguma vez, sinta que em outra oportunidade o Supremo dará novamente a bênção, a inspiração e a aspiração para meditar extremamente bem. No entanto, se você ficar perturbado ou irritado, o pouco do progresso que você fez no dia anterior será reduzido ou anulado. A melhor coisa é ficar calmo, sereno e firme em sua vida espiritual. Assim, com certeza você vai continuar a progredir tanto na meditação como na vida interior.

 

sri-chinmoy-aforismo-cello.jpg

 

Perguntas e Respostas sobre Meditação

por Sri Chinmoy, do livro Meditação
Pergunta: Muitas vezes, percebo que a qualidade da minha meditação tem altos e baixos. Sempre acho que não vou cair de novo, mas isso acontece com freqüência. 
Sri Chinmoy: No começo, todo mundo passa por altos e baixos na vida espiritual. Quando uma criança está aprendendo a andar, ela tropeça e cai. Depois de algum tempo, no entanto, ela aprende a andar e finalmente a correr. No final, ela poderá correr tão rápido quanto a capacidade dela permitir. Mas uma criancinha não pode esperar correr tão rápido quanto o pai dela, porque ele tem muito mais condição para isso.
Você tem tido altos e baixos na sua meditação. Quando estiver em cima, precisa sentir que está tendo um vislumbre de sua capacidade total. Ao estar embaixo, deve sentir simplesmente que é só uma incapacidade temporária. Só porque você vê que aqueles que são mais avançados na vida espiritual estão correndo, não deve perder a coragem. Eles também tropeçaram antes.
Hoje o céu pode estar cheio de nuvens, mas chegará um dia em que o Sol vai brilhar de novo, com plena refulgência. Quando você passar por momentos inferiores de medo, dúvida ou falta de aspiração, deve sentir que não vão durar para sempre. Assim como uma criança que caiu, você deve tentar ficar de pé novamente. Algum dia será capaz de caminhar, correr e, finalmente, correr o mais rápido possível sem cair.

Oração e Meditação

Oração e meditação

Textos sobre oração e meditação de Sri Chinmoy, do livro Meditação


Quando oro, eu me ajoelho com devoção e em segredo.

Quando medito, eu ergo meu coração de modo perfeito e repleto de alma.

Prece, oração e meditação

Neste texto, Sri Chinmoy explica similaridades e diferenças entre a oração e meditação. Meditação e oração têm a mesma meta, mas usam estradas diferentes para chegar lá. Se quiser ler mais sobre oração e meditação, veja nossos outros artigos.

oracao e meditacao
oracao
oracao catedral igreja
Quando oro, eu me ajoelho com devoção e em segredo. Quando medito, eu ergo meu coração de modo perfeito e repleto de alma. Sri Chinmoy

Oração e meditação

Oração e meditação são como duas estradas. A oração é sempre para o nosso próprio bem, para a nossa própria vida, para nossos amigos queridos no nosso mundo imediato. Se orarmos bem, Deus nos concederá duas asas para voarmos. Mas a meditação é para o mundo inteiro. Se meditarmos bem, sentiremos unicidade com a nossa própria realidade expandida. Se pudermos seguir o caminho da meditação, seremos heróis-guerreiros. Poderemos carregar em nossos ombros gigantes todo o fardo da humanidade. Ao satisfazermos a nossa vida de meditação, satisfaremos não somente a Deus, mas também a nós mesmos e ao mundo inteiro.

Para aqueles que querem ter a realização do Altíssimo, sempre digo que a meditação é de suma importância. No entanto, houve santos no ocidente que realizaram Deus somente por meio da oração. Eles não conheciam o conceito de meditação. Mas a intensidade da oração e da aspiração deles os levou até o mundo da meditação e além dele. As duas abordagens são eficientes. Quando oramos, vamos até Deus. Quando meditamos, Deus vem até nós. O mesmo resultado é possível no final.

Eu oro, eu medito

Eu oro. Por quê? Eu oro porque preciso de Deus. Eu medito. Por quê? Eu medito porque Deus precisa de mim.

Ao orar, penso que Deus está bem acima de mim, acima da minha cabeça. Ao meditar, sinto que Deus está no meu interior profundo, no meu coração.

A oração diz: “Sou indefeso, impuro, fraco. Preciso de Ti, ó Senhor Supremo, para me fortalecer, para me purificar, para me iluminar, para me aperfeiçoar, para me imortalizar. Preciso de Ti, ó Senhor Supremo”.

A meditação diz: “Senhor Supremo, por Tua infinita generosidade, Tu me escolhestes para ser Teu instrumento, a fim de manifestar-Te aqui na Terra, à Tua própria maneira. Tu poderias ter escolhido outra pessoa para fazer isso. No entanto, concedeste a mim a oportunidade dourada. Ofereço a Ti minha gratidão constante, o meu coração-gratidão”.

Oração é pureza. Ela purifica a mente, que está sempre sujeita à dúvida, ao medo, à preocupação e à ansiedade, e é sempre atacada por pensamentos e impulsos inadequados. Quando oramos, a purificação surge na nossa mente, e ela aumenta a nossa receptividade a Deus. Na verdade, a pureza nada mais é do que receptividade a Deus. A cada vez que oramos, o nosso recipiente interior aumenta, aumenta mais e mais. Assim, a pureza, a beleza, a luz e o deleite podem entrar nesse recipiente e brincar juntos nos recônditos mais profundos do nosso coração.

Meditação é luminosidade. Ela ilumina o nosso coração. Quando a iluminação surge no nosso coração, a insegurança e o sentimento de carência desaparecem. Nesse momento, cantamos a canção de unicidade inseparável com a Consciência Universal e a Consciência Transcendental. Quando o nosso coração é iluminado, o finito em nós entra no Infinito e transforma-se no próprio Infinito. As amarras milenares vão embora, e a liberdade da Verdade e Luz infinitas nos dá as boas-vindas.

A oração diz para Deus: “Amado Supremo, Tu és meu. Eu o reivindico como meu, como parte de mim. Conceda-me as Tuas qualidades divinas em medida ilimitada, para que eu possa ser Teu instrumento perfeito aqui na Terra”.

A meditação diz para Deus: “Ó Amado Supremo, eu sou teu. Tu podes me usar à vontade, a qualquer hora, durante toda a Eternidade. Satisfaça a ti mesmo por meu intermédio, tanto aqui na Terra como aí no Céu”.

A melhor forma de definir a oração é praticá-la diariamente. A melhor forma de definir a meditação é senti-la devotadamente. A melhor forma de definir o yoga é vivê-lo sinceramente. A melhor forma de definir Deus é amá-Lo, e a Ele apenas, incondicionalmente.


A oração é algo totalmente intenso e que sobe às alturas. Ao orarmos, sentimos que a nossa existência é uma chama unidirecionada, voltada para cima. Dos pés à cabeça, todo o nosso ser está suplicando e rogando pelas alturas. A própria natureza da oração é alcançar Deus ao se elevar.

A meditação é algo amplo e vasto que, no final, se expande num Infinito. Quando meditamos, nos atiramos na vastidão, num mar infinito de paz e felicidade, ou recebemos a Vastidão infinita dentro de nós. A oração se eleva. A meditação se espalha. A meditação está constantemente se expandindo e se transformando em paz, luz e deleite. Quando meditamos, gradualmente vemos, sentimos e nos tornamos o universo inteiro de luz e deleite.

No entanto, é preciso lembrar que, quando oramos, sentimos que, como indivíduos, estamos separados de Deus. Sentimos que Ele está em algum lugar, e que nós estamos em outro. Nesses momentos, não estamos na nossa consciência mais elevada, na qual sentimos que nós e Deus somos um. Se sentirmos que nós e Deus somos um, então não há por que orar porque, nesse caso, as nossas necessidades são as necessidades Dele.

Podemos dizer que a oração intensifica a nossa intimidade com Deus, enquanto a meditação aumenta a nossa unicidade com Ele. Primeiro, temos de sentir que nós e Deus somos amigos íntimos. Então poderemos perceber a nossa realidade-unicidade com Ele. Antes de meditarmos, se orarmos por alguns minutos, poderemos desenvolver uma ligação íntima com o Supremo. Em seguida, podemos meditar para nos tornarmos um com Ele.

Na vida espiritual mais sublime, não há comparação entre meditação e oração. A meditação é infinitamente mais profunda e mais vasta do que a oração. No ocidente, a oração é usada pelos buscadores com uma eficácia considerável. Mas um verdadeiro buscador que quer ir até o Além Derradeiro precisa sentir que a meditação é o degrau mais alto da escada para a realização-Deus. Ao meditarmos, vemos, sentimos e nos transformamos no universo inteiro de luz e deleite.

A oração mais elevada

A oração mais elevada é “Seja feita a Vossa Vontade”. Com certeza, essa é a altitude mais elevada para uma oração e também é o começo da meditação. Quando a oração termina a sua jornada, a meditação começa. Na meditação, não dizemos nada, não pensamos em nada, não queremos nada. No mundo-meditação, o Supremo está agindo em nós e por meio de nós para a Sua própria satisfação. E o mundo-oração está sempre pedindo alguma coisa. Mas o mundo da meditação afirma: “Deus não é surdo nem cego. Ele sabe o que fazer para satisfazer a Si mesmo em e através de mim. Portanto, em silêncio repleto de alma, apenas me tornarei o mais elevado”.

O que a minha oração precisa é de uma árvore-paciência. O que minha meditação precisa é de uma flor-gratidão. Sri Chinmoy

Orar e meditar – qual é a diferença?

textos de Sri Chinmoy

sri-chinmoy-jharna-kala.jpg˜A diferença entre a oração e a meditação é esta: na oração, sentimos que nossa existência é uma chama ascendente, direcionada às alturas. A própria natureza da oração é alcançar Deus subindo às alturas. Na meditação, mergulhamos num vasto espaço, num infinito mar de paz e felicidade, ou então acolhemos em nosso interior o Vasto infinito.

A oração e a meditação são como os lados de uma mesma moeda. E são ambas muito eficazes. Quando oro, eu falo e Deus escuta. Quando eu medito, Deus fala e eu escuto. Na oração, subimos até Ele; na meditação, Ele vem até nós. Ao cabo e ao fim, elas representam a mesma coisa. Todavia, devemos saber que, ao orar como indivíduos, nos sentimos separados de Deus. A sensação é a de que Ele está num certo lugar, e nós em outro. Estamos a olhar para cima, chorando por Ele, mas não sabemos quando ou até que ponto Ele satisfará as nossas preces. Já a meditação diz: “Deus não é cego e nem surdo! Deus sabe o que Ele precisa fazer para satisfazer a Si mesmo em e através de mim. O meu dever é permanecer em sublime silêncio devotado.” A oração mais elevada foi proferida pelo Cristo: “Seja feita a Vossa Vontade.” Essa oração é também o início da meditação. Onde finda a jornada da oração começa a meditação.

Sri Chinmoy, As Asas da Alegria, Editora Pensamento, 2007.

srichinmoy-orando-e-pintando.jpgPaz e Felicidade

…Caros amigos, irmãos e irmãs. Eu sou uma pessoa de oração, um aluno da paz. Eu oro ao Pai Celestial para que faça surgir à tona todas as qualidades divinas que existem em vocês e as aumente em medida infinita. Eu oro a Deus para que Ele agracie cada um com Sua Mensagem-Sonho, a paz. Também oro para que Ele lhes ofereça alegria infinita.

É por meio da oração, meditação e serviço dedicado que será estabelecida a paz mundial. Cada indivíduo deve procurar fazer os outros felizes, pois é apenas através da felicidade que podemos ter paz. Se oferecermos felicidade a alguém, amorosa e sinceramente, aquela pessoa terá apenas boa-vontade para conosco. Da felicidade obtemos paz, e da paz, felicidade. As duas são inseparáveis. …

Sri Chinmoy, As Asas da Alegria, Editora Pensamento, 2007

Pergunta: Qual é a importância relativa da oração?

Sri Chinmoy: Para um buscador genuíno, que procura Paz, Luz, Deleite e Poder divinos em medida infinita, a oração nunca será tão importante quanto a meditação. Quando oramos, na maior parte do tempo temos a sensação de mendigar. “Ó, Deus, dê-me isto; faça-me aquilo.”

Sentimos de forma automática que somos pedintes e que outra pessoa nos concederá nossos pedidos. Um pedinte bate à porta de qualquer um – seja rico ou pobre. Ele não se importa. Ele apenas bate e bate para ganhar dinheiro. Portanto, quanto oramos, somos como pedintes. Oramos a Deus pra cá, pra lá, olhando para cima, para baixo, ou como for. Não sabemos de que canto ou de que nível Deus irá satisfazer os nossos desejos. Olhamos para cima e clamamos: “Deus, me dê, me dê, me dê!” Há um vasto desfiladeiro entre a existência Dele e a nossa existência.

srichinmoymeditando.jpgSe buscarmos em nossas profundezas interiores, veremos um desejo sutil ou grosseiro, que nos instigará a orar. É por uma gota, duas ou três gotas de Compaixão ou Luz ou Paz que estamos orando. Infelizmente, quando oramos, nossa atenção completa fica focada num objeto ou desejo em particular, e sentimos que, se conquistarmos essa coisa pela qual estamos clamando, isso já bastará. Portanto, quando a oração é satisfeita, ela cessa. Através da oração, esperamos que Deus nos dê o que queremos, e então, quando Deus dá, quando nossa oração é atendida, paramos de orar. Por alguns meses ou anos deixamos de orar, até que o desejo uma vez mais nos instiga. E então oramos de novo.

Mas meditação é diferente. Na meditação, ficaremos em um certa região divina, onde sentiremos o tempo todo a expansão de nossa consciência. Quando mais sentirmos a expansão de nossa consciência, mais claro ficará que Paz, Luz e Deleite estão crescendo dentro de nossa meditação. A própria meditação torna-se o solo fértil onde a supersafra da Paz, Luz e Deleite poderá crescer. Assim como não há fim para a nossa aspiração, também não há fim para a nossa meditação. Lidamos com Eternidade, Infinidade e Imortalidade – portanto, o nosso progresso é constante e, ao mesmo tempo, sem fim.

Quando meditamos, estamos no mar de tranquilidade. Não há ninguém para quem orar, e Deus sente nossa necessidade mais do que podemos imaginar. Ele está sempre presente. Devemos apenas recebê-Lo. Quando meditamos, Deus sente a necessidade de satisfazer a Si mesmo em e através de nós. Na vida espiritual verdadeira, não há comparação entre a meditação e a oração. Há momentos em que iremos orar, mas se formos um buscador verdadeiro, se quisermos realmente ir até a Meta última, para a maioria de nós a meditação será o degrau mais elevado na escada da evolução espiritual. No entanto, se orarmos pela satisfação da Vontade de Deus, se orarmos pela Sua Vitória divina em e através de nossas vidas, essa oração será muito elevada, poderosa. Muitos dos grandiosos gigantes espirituais do ocidente realizaram Deus através desse tipo de oração.

Sri Chinmoy, Great Masters And The Cosmic Gods, Agni Press, 1977.