Select Page

Drogas e a meditação

Abaixo algumas perguntas do livro Meditação, Yoga e a Arte de Viver: a Aventura da Vida

Pergunta: Há muitas pessoas que reivindicam que através do uso de certas drogas elas conseguem se aproximar de Deus. O que você sente sobre o uso de estimulantes, drogas, etc., para estimular a mente de forma a se aproximar de Deus?

Sri Chinmoy: Começarei dizendo que há duas maneiras de abordar a Verdade. Uma é através da meditação e oração, onde, conhecendo a Verdade real, sentimos o êxtase real, vemos a luz verdadeira, experimentamos a Existência, Consciência e Deleite. Esses três últimos caminham juntos, e podemos alcançar tal estágio apenas através da meditação e unicidade com Deus. Todavia, aqueles que estão usando drogas estão colocando o carro na frente dos bois. Eles se enganam ao pensar que já conhecem a Verdade. Ao mesmo tempo, não percebem que, ao ingerir drogas, estão danificando suas faculdades interiores, espirituais, que são de importância fundamental para se entrar no reino de Deus. Deixem-me tornar isso claro a vocês.

Se vocês me lançarem no mar e me fizerem mergulhar, imergindo-me forçosamente na água e não permitindo que retorne à superfície, o que eu verei? Tudo ficará vazio, branco. É exatamente o que acontece com aqueles que buscaram as drogas. Através das substâncias químicas, acontece uma alteração violenta de consciência. Eles têm uma experiência… tudo fica branco! Mesmo que seja uma experiência elevada, eles não poderão mantê-la sem mais uma dose das substâncias químicas. Mas quando eu oro, quando me concentro, quando medito, entro na Consciência Viva de Deus e posso aprender a ficar lá. É a forma positiva de se adentrar Deus. Deus é natural, e eu sou o Seu filho, e você é filho Dele; temos de seguir o processo natural também. Ao ingerir drogas e usar esses meios artificiais, as pessoas estão inconscientemente, ou talvez intencionalmente, negando a Verdade real.

Eu tenho dois ou três alunos que costumavam usar drogas. Eles tiveram ‘experiências’ em primeira mão e me contam hoje que, quando usavam drogas, era tudo autoilusão e autoaniquilação. Mas o que eles vivem agora é autoaceitação e autossatisfação. Essa é a diferença que descobriram hoje. Nem preciso dizer que tenho orgulho das suas conquistas espirituais.

Voltando à sua pergunta, nenhum homem conseguirá se aproximar de Deus ao utilizar drogas ou estimulantes. Ele só pode de aproximar de Deus ao amar Deus e meditar em Deus.

 

Pergunta: As experiências com drogas são de alguma valia?

Sri Chinmoy: As experiências com drogas são como moedas falsas. É como se você fosse uma criança sem dinheiro algum. Você encontra uma bela moeda. Você sabe que é uma moeda por causa da forma e fica feliz por ter obtido o dinheiro com tanta facilidade. Mas é uma moeda falsa. Caso leve-a a um lojista, ele irá lhe dar uma surra ou o mandará embora da loja. Ele não a aceitará. Você verá que a sua moeda não vale nada e não conseguirá comprar nada com ela.

Páginas relacionadas

Livro Bhagavad Gita – capítulo 6 – Aut... do livro de Sri Chinmoy, Comentários sobre o Bhagavad Gita Livro Bhagavad Gita - capítulo 6 - Auto-controle   O fim da hesitação! O ...
Meditação e espiritualidade em família Vida em família Por Sri Chinmoy, do livro Meditação, Yoga e a Arte de Viver: a Aventura da Vida   O propósito sagrado e divino da família ...
Video: o significado das olimpíadas https://vimeo.com/177949900 Sri Chinmoy fala sobre o significado das olimpíadas.  
Zen e meditação – ou Zazen textos de Sri Chinmoy comentários e história ao fim por Patanga Cordeiro Zen e meditação (ou Zazen) Zen e Zazen: a iluminação já está dentro de...