Select Page

Meditação cristã

meditacao cristaEsta é uma página para aqueles que são cristãos (ou não) e gostariam de meditar no Cristo. Assim, procuramos dentro dos livros de Sri Chinmoy referências, imagens, reflexões, perguntas e respostas, todas com alguma relação com o Cristo. Você também encontrará exercícios práticos que pode utilizar como meditação. Não se trata, é claro, da meditação cristã no sentido católico da palavra. Utilizamos aqui o termo meditação cristã como um referência geral àqueles, cristãos evangélicos, católicos ou mesmo não cristãos que gostariam de fazer uma meditação na imagem e sentimento do Cristo. Esperamos que os escritos aqui possam auxiliam você na sua busca pela verdade.

As meditações cristãs mais interessantes que conheço estão no livro Brother Jesus, de onde traduzi alguns trechos logo abaixo. Todos os textos são de Sri Chinmoy.

 

O Cristo contou a Verdade. A Verdade existia antes.

O Criso se tornou a Verdade. Por isso a Verdade vive e respira na Terra.

 

Jesus veio. O mundo ouviu.

Jesus foi. O mundo viu.

Jesus sorri. O mundo se torna.

 

Se é verdade

Que Jesus está retornando,

Então também é verdade

Que eu e você deveríamos nos encontrar com Ele

E recebê-Lo

Na metade do caminho.

 

O mundo inteiro ama e adora Jesus Cristo Salvador. Por que? Porque ele transmite ilimitada alegria interior, paz e amor para todo mundo. Importa se no início de sua vida ele foi apenas um simples carpinteiro? Não mesmo. Na Índia também, há muitas figuras espirituais que vêm de uma origem humilde, mas ainda assim, eles são amados e adorados. Sri Ramakrishna, por exemplo, veio de uma família de um vilarejo muito, muito pobre. Depois, ele trabalhou como sacerdote num pequeno templo. Mas o mundo recorda dele e de Mestre espirituais como ele, por quem eles foram e o quê fizeram espiritualmente, não pelas suas profissões. Se alguém é uma boa pessoa e ama a Deus, qualquer trabalho que lhe dê mais alegria, é o melhor.

 

O filho de Deus, Jesus Cristo, esteve na terra durante trinta e três anos. Somente durante os últimos três anos de sua vida ele realizou milagres. Você acha que o mundo ainda adora e o louva só porque ele poderia caminhar na água ou ressuscitar um homem morto? Não, não é por causa de seus milagres que ele ainda é louvado, mas porque ele trouxe a Consciência eterna, a Consciência infinita. Sri Ramakrishna praticamente não realizou nenhum milagre e havia muitos, muitos outros Mestres espirituais que não efetuaram milagres. Eles sentiram que realizar milagres no plano físico seria infantil em comparação com aqueles que eram capazes de fazer no plano espiritual, na região do coração, na região onde está paz infinita, luz e permanente bem-aventurança.

 

Dicas e exercícios de meditação no Cristo

Se você medita em casa, precisa ter um espaço que seja totalmente puro e santificado – um lugar sagrado que você usará apenas para meditar. Lá você pode fazer um altar, no qual pode colocar um retrato do seu Mestre espiritual, do Cristo, ou de alguma outra personalidade espiritual que você considera como seu Mestre.

Antes de começar a meditar, vai ajudar se puder tomar uma ducha ou um banho de imersão. A higiene do corpo colabora muito com a purificação da consciência. Se não puder tomar uma ducha ou um banho antes de se sentar para meditar, deve pelo menos lavar o rosto. É aconselhável também vestir roupas leves e limpas.

Também vai ajudar se você queimar incenso e colocar flores frescas no seu altar. Ao sentir o aroma do incenso, talvez você só consiga uma gota de inspiração e purificação, mas essa gota será acrescentada ao seu tesouro interior. Há algumas pessoas que dizem que não é necessário ter flores diante de si durante a meditação. Elas afirmam: “A flor está no interior. O lótus de mil pétalas está dentro de si”. Mas a flor física no seu altar vai lembrá-lo da flor interior. A cor, a fragrância e a consciência pura dela vão inspirá-lo. Da inspiração, você vai obter aspiração.

O mesmo acontece quando usamos velas ao meditar. A chama de uma vela, por si só, não trará aspiração. Entretanto, ao ver a chama exterior, imediatamente você vai sentir que a chama da aspiração no seu interior também está se elevando para o alto, mais alto, altíssimo. Se a pessoa sente que está a um passo da realização-Deus ou já alcançou a realização de Deus, essas coisas exteriores não terão valor. No entanto, se você sabe que a sua realização-Deus ainda é uma meta longínqua, elas certamente aumentarão a sua aspiração.

Ao praticar a sua meditação individual diária, tente meditar sozinho. Isso não se aplica a um casal que tem o mesmo Mestre espiritual; não há problemas se meditarem juntos. De outra maneira, não é aconselhável que a sua meditação individual diária seja feita com outras pessoas. A meditação em grupo também é importante; porém, para a meditação particular, é melhor meditar sozinho, no seu próprio altar.

 

Respiração um-quatro-dois

Quando inspirar, repita, uma vez, o nome de Deus, do Cristo ou de quem você venera. Ou, se o seu Mestre lhe passou um mantra, você pode repeti-lo. Essa respiração não precisa ser longa ou profunda. Então, prenda a respiração e repita a mesma palavra quatro vezes. Ao expirar, repita duas vezes o nome ou o mantra que você escolheu. Você inspira em um tempo, prende a respiração por quatro e expira por dois tempos, repetindo interiormente a palavra sagrada. Se simplesmente contar os números – um, quatro, dois – não obterá nenhuma vibração ou sentimento interior. Entretanto, ao dizer o nome de Deus, imediatamente as qualidades divinas Dele entrarão em você. Quando prender a respiração, essas qualidades circularão dentro de você, entrando em todas as suas impurezas, obscuridades, imperfeições e limitações. E, ao expirar, essas mesmas qualidades divinas levarão embora todas as suas características não-divinas, retrógradas e destrutivas.

No início, você pode começar com uma contagem de um-quatro-dois. Quando ficar experiente nesse exercício respiratório, poderá praticá-lo numa contagem de quatro-dezesseis-oito: inspirando por quatro tempos, segurando a respiração por dezesseis e expirando por oito. No entanto, isso precisa ser feito bem gradualmente. Algumas pessoas até mesmo realizam uma contagem de oito-trinta e dois-dezesseis, mas isso é para especialistas.

 

Você é filho de Deus

Você pode começar tendo bons pensamentos: “Eu quero ser bom. Eu quero ser mais espiritual. Eu quero amar mais a Deus, quero existir apenas para Ele.” Deixe que essas ideias cresçam dentro de você. Comece com uma ou duas ideias divinas: “Hoje eu quero sentir que eu sou realmente um filho de Deus.” Isso não é apenas um mero sentimento, mas uma verdadeira realidade. Sinta que a Virgem Maria está carregando o Cristo criança. Sinta que a Mãe Divina está segurando você nos braços, como um bebê. Depois sinta: “Eu realmente quero ter luz-sabedoria. Eu quero andar com o meu Pai. Aonde quer que Ele vá, irei com Ele. Obterei d’Ele a luz.”

 

Sou um iniciante na meditação e acho que não consigo controlar meus pensamentos. Como posso tornar a minha meditação bem-sucedida?

Se você estiver começando agora, procure deixar que entrem apenas pensamentos divinos, e não pensamentos que não sejam divinos. É melhor não ter nenhum pensamento durante a meditação, mas é quase impossível para um iniciante não pensar. Portanto, você pode começar com bons pensamentos: “Quero ser bom, quero ser mais espiritual, quero amar mais a Deus, quero viver só para Ele”. Deixe que essas ideias cresçam dentro de você. Comece com uma ou duas ideias divinas: “Hoje serei completamente puro. Não vou permitir que nenhum pensamento mau, mas apenas a paz, entre em mim”. Ao permitir que um pensamento divino cresça dentro de você, verá imediatamente que a sua consciência muda para melhor.

Comece com propósitos divinos: “Hoje quero sentir que sou realmente um filho de Deus”. Isso não deve ser um mero sentimento, mas sim uma realidade. Imagine que a Virgem Maria está segurando Cristo em seus braços. Sinta que a Mãe Divina está acalentando você nos braços dela, como um bebê. Sinta: “Eu realmente quero ter luz-sabedoria. Quero caminhar com meu Pai. Aonde quer que Ele vá, quero ir junto. Receberei luz Dele”.

Algumas pessoas não têm esses tipos de propósitos. Não surgem ideias e pensamentos criativos. Tudo o que há é um vácuo. Talvez você pergunte o que é melhor: ter várias mensagens bobas ou nenhuma mensagem na mente. Todavia, existe uma maneira de negativa, inconsciente de meditar, que não tem vida. Essa não é a mente silenciosa. Ela não é produtiva. Na meditação de verdade, a mente fica em silêncio, mas, ao mesmo tempo, consciente.

 

A meditação mais elevada: “Seja feita a Vossa Vontade.”

A meditação mais elevada é feita em silêncio, com um objetivo: agradar a Deus da maneira que Ele quer ser agradado. Ao meditar, se puder sentir que está agradando a Deus do modo que Ele quer, essa será a melhor forma de meditação. De outro modo, se você começar a meditar para conseguir alegria, vai consegui-la, mas não será a alegria ilimitada, justamente porque você não agradou ao seu Eterno Amado, Deus, da maneira Dele. O que Cristo o Salvador disse é, realmente, a verdade mais sublime: “Seja feita a Vossa Vontade”. Antes de meditar, se puder oferecer o resultado da sua meditação à Fonte e afirmar: “Eu gostaria de me tornar o Seu instrumento perfeito, para que Você possa realizar-Se em e através de mim, da Sua própria maneira”, essa será, sem dúvida, a meditação mais elevada, absolutamente mais elevada.

 

Perguntas e respostas sobre meditação e o Cristo

Pergunta: Parece que o Cristo nunca meditou, mas que, de repente, se tornou muito elevado. Isso é verdade?

Sri Chinmoy: Não. O Cristo certamente meditou. O que sabemos do passado? O Cristo ficou na Terra por trinta e três anos, e ainda assim há um período de dez ou doze anos no qual a história não sabe o que ele fez. Nesse tempo, ele esteve na Índia e em outros lugares, e ele certamente meditou.

 

Pergunta: O Cristo foi um pintor, um atleta ou um poeta?

Sri Chinmoy: Do ponto de vista mais abrangente, o Cristo foi certamente um poeta, um pintor e um atleta. Ele foi um poeta, pois os seus pronunciamentos foram todos poéticos, visionários e revolucionários. Cada um dos trabalhos do Cristo é uma visão-vidente do Pai Supremo. Ele também era pintor. Sua mãe era pintora, queira o mundo acreditar ou não – ela era uma grande pintora. Ela pintava assim como os pintores comuns pintam. Mas o Cristo foi um pintor divino. Ele pintou o sofrimento da vida humana e o deleite da vida divina, em e através de sua vida.

O Cristo foi um atleta. Ele correu o mais rapidamente em trinta e três anos. No breve período de sua vida, ele completou o seu percurso de acordo com a Visão-Indicação de Seu Pai Supremo. E ele foi um atleta supremo. Ele enfrentou os golpes da vida humana e ofereceu sua unicidade para a humanidade sofredora e aspirante.

 

Se alguém tem um sonho com o seu próprio Mestre espiritual, o sonho é confiável?

Infelizmente, é possível que as forças ruins tomem a forma de uma grande personalidade espiritual ou de um Mestre espiritual e apareçam num sonho. Às vezes elas são bem sucedidas e fazem muitas coisas ruins. Como você pode distinguir o Mestre verdadeiro das forças hostis? Quando uma força ruim aparece num sonho na forma de um Mestre espiritual ou de um grande santo, a primeira coisa que você notará é a sua impureza. Se você reparar que não há pureza, imediatamente saberá que não é o Mestre, mas sim uma força ruim na forma do Mestre. Muitas vezes aconteceu que forças negativas tomaram uma forma divina e apareceram diante do buscador, e o buscador se curvou a essas forças. Você nunca, nunca deve se curvar num sonho a não ser e até que tenha certeza de que aquela pessoa realmente é o seu Mestre, ou Krishna, o Cristo, o Buda ou outro grande Mestre espiritual. Caso contrário, no momento em que se curvar e tocar os pés da pessoa, através de um processo do ocultismo essa força ruim levará embora algumas das suas qualidades divinas.

Quando você vê um Mestre num sonho, primeiro veja se ele traz consigo uma enxurrada de pureza e a fragrância de uma flor ou o brilho da luz. Essa pureza nunca será trazida pelas forças hostis. No momento em que você sentir pureza absoluta e a fragrância de flores, saiba com certeza que é uma pessoa divina quem veio. Mas se sentir impureza ou se ficar incomodado ou com medo, saiba com certeza de que é uma força ruim em um disfarce.


Por que nós meditamos? Meditamos precisamente porque necessitamos de algo. De que? Do sentimento consciente de nossa unicidade com o Supremo. Essa necessidade deve ser espontânea, genuína e com toda a alma.

Vamos começar com o ABC da meditação. A melhor forma de meditar é sentar-se com as pernas cruzadas numa pequena almofada ou tapete. A coluna vertebral e o pescoço devem ser mantidos eretos. Se para alguns de vocês não for possível sentar-se nessa posição, então, por favor, se estiverem sentados numa cadeira conservem as costas inteiramente eretas. Se vocês quiserem meditar em casa, tentem manter um lugar sagrado, um canto de seu quarto absolutamente puro e santificado. E por favor, usem roupas limpas e claras. Para ter o máximo de pureza é de extrema ajuda tomar banho antes da meditação, mas se isso não for possível pelo menos lavem o rosto e os pés. Se possível, enquanto estiver meditando usem incenso e coloquem uma flor, qualquer flor à sua frente.

Quando você estiver meditando em casa, se possível, medite sozinho. Esta regra não se aplica ao casal se os dois tiverem o mesmo Mestre espiritual – eles podem meditar juntos. Também os amigos espirituais que entenderem totalmente a vida interior uns dos outros podem meditar juntos. De outra forma não é aconselhável meditar com outras pessoas. Em nosso Centro, no entanto, os discípulos devem meditar coletivamente, pois isso também é muito importante. Mas para a meditação diária, individual, eu sinto que é melhor que cada um medite em seu próprio quarto, em privacidade, até mesmo em segredo.

É de grande ajuda ter à sua frente durante sua meditação a foto de Cristo ou de alguma outra figura espiritualmente amada, a qual você considere como seu Mestre. Aqueles que são meus discípulos terão a minha foto, tirada quando eu estava meu mais alto nível de consciência, onde sou absolutamente Um com o meu Piloto Interior.

 

Pergunta: Como podemos nos fortalecer contra a tentação recorrente?

Sri Chinmoy: Há várias maneiras. Uma forma é imaginar o coração do seu Mestre. Pode ser difícil imaginar o coração do Supremo, mas você pode facilmente imaginar o coração do seu Mestre. Imagine apenas que meu coração é uma tábula dourada. Quando a tentação atacá-lo, imagine imediatamente que essa placa dourada está besuntada de tinta. Pouco antes da tentação atacá-lo, você viu que o coração do seu Mestre era como a lua, absolutamente puro, um espaço dourado. Contudo, agora que você sucumbiu à tentação, vê também o resultado: o ouro foi embora e tudo está repleto de escuridão e sujeira. Depois, ao recuperar a sensatez, vai se amaldiçoar. Vai pensar: “Aquele que é o meu caminho, a minha meta, aquele que eu amo com todo o meu coração e a minha alma – o que fiz para ele? Antes ele era todo ouro, divino, imortal, mas agora que me entreguei à tentação, a existência dele foi embora. Se houvesse acontecido comigo, eu teria me perdoado. No entanto, como posso me perdoar quando isso aconteceu com meu Mestre?” Mas não há diferença entre o Mestre e você. Quando você é pego pela ignorância, o Mestre também sofre.

Portanto, ao abordar o aspecto humano do Guru, a tentação não pode dominá-lo. Contudo, abordando o aspecto divino do Mestre, você pode dizer: “Ele realizou Deus. Se eu me entregar à ignorância e à tentação, ele vai permanecer inabalado, num mar de Luz, Paz e Felicidade”. Isso não vai resolver seu problema. É verdade que, não importa o que você faça, ele vai permanecer inabalado. Entretanto, ao tomar essa atitude, sua tentação aumentará e você vai acabar fazendo a coisa errada. Às vezes, a mente travessa opera na abordagem divina. A mente humana é muito esperta. Ela vai dizer: “Por que meu Mestre me sujeita à tentação, se ele é divino? Mesmo que eu sucumba, a compaixão dele vai me resgatar. Cadê o motivo de lutar contra a tentação?” Portanto, a abordagem humana é infinitamente melhor. Quando a tentação se aproxima, você diz a si mesmo: “Por causa da minha tentação, ele vai engolir todo o meu veneno. Dei veneno para ele beber”. Se você abordar o Divino com reverência e sinceridade, mas também enxergar o Mestre com amor humano, fará a melhor coisa.

Existe também uma outra abordagem que é igualmente eficiente. Precisa saber que a tentação não é alguma coisa que você está experimentando pela primeira vez. É algo pela qual já passou centenas e milhares de vezes. Cristo e outros grandes Mestres espirituais, mesmo quando estavam às margens da realização, enfrentaram a tentação.

Precisa saber que o que quer na verdade é satisfação, e isso pode ser encontrado em dois planos: o plano-realidade e o plano-irrealidade. Esses dois planos estão constantemente jogando um com o outro. Se você fica satisfeito a toda hora dormindo e roncando, se fica satisfeito ao ser vencido pela letargia, ou ao sucumbir à tentação, então tem que saber que essa satisfação não produz nada de divino ou frutífero. Nessa hora, você está vivendo no plano-irrealidade.

A satisfação no plano-realidade vem quando você sente que está fazendo constante progresso, indo mais alto ou mais profundamente. Ao progredir, consegue um tremendo sentimento de satisfação. Sente que a Meta está chegando mais perto e está a ponto de abraçá-lo. No plano-realidade, Deus está jogando um jogo sempre transcendente conosco. A Meta o leva imediatamente vinte passos à frente, e então vai vinte passos adiante. Quando você está dando o vigésimo primeiro passo, ela volta novamente e o carrega até o quadragésimo passo, e vai embora mais uma vez. (Life-Inquiry and Self-Discovery, p. 33-35)

 

Quando meditamos, podemos ver que existe uma aura sempre se movimentando à nossa volta. Também podemos ver as auras de outras pessoas, assim como alguns as enxergavam no Buda ou no Cristo, por exemplo.

 

A posse traz frustração e infrutífera é a renúncia. O que pode, então, dar-nos paz de espírito? Apenas, a aceitação da Vontade de Deus pode trazer-nos verdadeira paz de espírito. Teremos paz ao aceitar a vontade de Deus como a nossa própria, muito nossa. Apenas, assim, a nossa vida pode ser frutífera. Aos Olhos de Deus não há coisas tais como posse e renúncia. Aos Seus Olhos há, apenas, uma coisa: aceitação – aceitação da Vontade de Deus. No nosso coração, na nossa vida, há apenas uma oração suprema, a oração que o Cristo Salvador nos ensinou: “Seja feita a Vossa Vontade.” Milhões de orações foram escritas desde tempos imemoriais, mas nenhuma pode igualar-se a esta: “Seja feita a Vossa Vontade.” Quando aceitamos a Vontade de Deus como nossa, a cada momento a paz derrama-se, abundantemente, na nossa vida de sabedoria, na nossa vida de aspiração e na nossa vida de dedicação.

Contudo, se estiver referindo-se a outras pessoas, para saber o que é o melhor a se fazer quando elas estão morrendo, é preciso saber quem deu a elas a maior alegria na Terra, ou em quem eles tinham a maior fé. Se alguém tinha toda fé no Cristo, mesmo que você não siga o caminho de Cristo, imediatamente invoque, consciente e o mais devotadamente possível, a presença de Cristo. Naquele momento, ajude seu amigo a aumentar sua fé no Cristo. Pode repetir em voz alta o nome de Cristo, trazer ao seu amigo uma imagem do Cristo e ler a Bíblia. Dessa maneira você o estará ajudando em sua aspiração. Se uma pessoa espiritual que me conhece está morrendo, naquele momento você deve ler meus escritos e falar sobre mim. Mas se a pessoa é apenas um conhecido, você deve aumentar a sua fé à maneira dela.

 

A cada vez que um Avatar vem, ele cumpre um papel diferente na marcha da evolução, de acordo com a necessidade da era. Em essência, um Avatar não é diferente de outro. Um Avatar genuíno, Sri Ramakrishna, revelou a verdade: “Aquele que era Rama, aquele que era Krishna, agora está na forma de Ramakrishna.”[1]

Há dois opostos eternos: o bem e o mal. De acordo com Sri Krishna, quando a maldade alcança o seu zênite, Deus precisa envergar a veste humana, na forma de um Avatar. A vinda de Sri Krishna teve de lidar com a mais negra força maligna, Kamsa. Similarmente, Herodes, o tirano sem par, requeriu a vinda de Jesus Cristo. O nascimento do Cristo exigiu a extinção da vida de ignorância. Janmashtami, o nascimento de Krishna, é celebrado por toda a Índia, objetivando lembrar a saída do mar de ignorância e a entrada no Oceano de Conhecimento.

A maneira mais fácil e efetiva de conceber a idéia de um Deus pessoal é entrar em contato com um Avatar e permanecer sob sua orientação. Ter um Avatar como Guru é encontrar um porto seguro no barco da vida. Em conexão, podemos citar o corajoso dito de Vivekananda: “Homem algum pode ver Deus senão através dessas manifestações humanas. Fale o que quiser, tente o quanto quiser, você não consegue pensar em Deus senão como um homem.”[2]

 

“Se o homem já foi Deus ou Deus o homem, Jesus Cristo foi os dois”. – Lorde Byron

De modo amoroso e com devoção, tenho uma coisa a acrescentar: o homem – Deus – foi feito de lágrimas torrenciais; Deus – o homem – foi feito de Sorrisos florescentes.

 

“Jesus Cristo fundou o império dele no amor. Naquela hora, milhões de homens teriam morrido por ele”. – Napoleão Bonaparte

Que o Império de Deus seja fundado nos meus sorrisos-alma e nas mi-nhas lágrimas-coração.

 

A fé é a visão compartilhada entre Deus e o homem. Essa visão de fé vê o futuro no presente. Quando há fé na vida espiritual, não cambaleamos, não caminhamos e nem marchamos. Nós simplesmente corremos! Se tivermos fé implícita em Deus, o Piloto Interior, e em nossa própria aspiração, correremos de forma constante em direção à nossa meta destinada.

O Cristo disse: “Bem-aventurados os que não viram e creram.” Pessoas que acreditam apenas no que vêem com seus olhos estão degustando somente metade do fruto. Inspecionar a Verdade é perdê-la – a Verdade é uma questão de identificação. É esse o sublime pronunciamento do Cristo acerca da fé e da dúvida. Abençoados aqueles que têm fé sem exigir provas a todo momento.

Àquilo que você chama de fé eu chamo de o conhecimento latente da alma acerca da Verdade altíssima. A fé nos conta não somente o que Deus é, mas também o que Ele pode fazer por nós a cada momento. Tal fé é o nosso alento, que vive em Deus o Onisciente e Deus o Onipotente.

Observe com os olhos da fé: você verá a eterna Verdade. Enxergue através do coração da fé: você sentirá a Verdade imortal.

 

 

O que é uma fé imperecível?

É um farol-luz para aqueles

Que navegam no Barco Dourado

Em direção à Margem Dourada.

 

O orgulho pode existir de diversas formas. Alguém tem boas notas na escola e sente orgulho disso. Uma outra pessoa tira primeiro lugar numa competição desportiva e se orgulha de sua conquista. Quando alguém faz algo muito bem, naturalmente fica orgulhoso. No orgulho humano, o ego está sempre presente. Eu fico orgulhoso porque eu fiz algo, porque meu amigo ou meu irmão fez alguma coisa. Tudo em que pensamos é: eu, meu.

Mas existe também algo chamado orgulho divino. O orgulho divino surge de nossa unicidade com Deus. Por mérito de sua consciência mais elevada, o Cristo disse: “Eu e meu Pai somos um.” E como ele pôde dizer tal coisa? Sua proclamação foi baseada na realização interior de sua unicidade inseparável com Deus, o Pai eterno. Para muitas pessoas, Deus é apenas uma idéia vaga. Elas pensam que Ele está lá em cima, longe no céu azul, ou em qualquer lugar em que elas mesmas não estejam. Mas para o Cristo, Deus era uma realidade vivente.

Saibamos com que tipo de orgulho estamos lidando, se é o que nos amarra ou o que nos liberta. O orgulho humano diz: “Eu e meu: o começo e o fim da realidade.” O orgulho divino proclama: “Deus é meu. O Todo-Poderoso, o Infinito, é meu. Como posso me atar e amarrar a qualquer coisa limitada e limitadora?” O orgulho divino não prende, ele liberta. Ele é o nosso sentimento de inseparável unicidade com a Vastidão Infinita. Quando o orgulho humano sobe à tona, nós temos de trazer à lembrança aquela idéia: “Eu sou uma criança escolhida de Deus. Como poderia fazer tal coisa? Como poderia ser tão mesquinho, egoísta e não-divino? Eu nunca seria capaz de fazer tal coisa!” O orgulho divino é primoroso: ele sempre nos auxilia.

 

 

A felicidade é o amor radiante na novidade e plenitude de uma vida real. Com um coração alegre, seguimos adiante, mergulhamos fundo, voamos alto. O progresso está no movimento, e esse movimento surge apenas quando temos alegria e nos tornamos a alegria. Em nossa felicidade fazemos progresso verdadeiro.

Ensinou o Cristo: “O Reino dos Céus está dentro de você.” O Reino dos Céus é algo que podemos de fato sentir. É uma questão da nossa própria realização interior.

O Céu é um plano de consciência cheio de paz e deleite. Nós o criamos com nossos ideais divinos. Quando temos bons pensamentos, no momento em que oramos e meditamos e tentamos oferecer a luz que recebemos para o mundo como um todo, começamos a viver no Céu. Nossa aspiração, o clamor interior ascendente, é o que nos leva a esse Reino. Quão mais alto seguirmos além de nossa consciência limitada, mais rápido entraremos em nossa mais profunda consciência infinita e mais intimamente veremos, sentiremos e possuiremos o Reino dos Céus dentro de nós. Sim, o Reino dos Céus está em nosso interior. Podemos não apenas senti-lo, mas, também, sem sombra de dúvida, nos tornar o Reino dos Céus.

 

Dois mil anos atrás o Cristo nos concedeu o supremo ensinamento: “Seja feita a Vossa Vontade.” Milhões de orações foram oferecidas a Deus, mas não pode haver oração maior, melhor ou mais gratificante do que essa. Amando Deus, nos tornamos felizes. Servindo a Deus, ficamos ainda mais felizes. Entregando nossa vontade individual à Vontade de Deus, seremos, dentre todos, os mais felizes.

Quando algo é a Vontade de Deus, sentimos uma espécie de alegria interior ou satisfação mesmo antes de começarmos a executar a ação. Enquanto agimos, haverá alegria. E, por fim, há a sensação de que seremos igualmente felizes, quer reste a nossa ação frutífera ou infrutífera. Em uma consciência mundana, comum, ficamos felizes apenas quando vemos a aurora do sucesso ao fim de nossa jornada. Mas se pudermos ter a mesma felicidade, alegria e satisfação, seja o resultado sucesso ou fracasso, e conseguirmos oferecer alegremente o resultado de nossas ações a Deus, saberemos que o que fizemos é a Sua Vontade.

 

 

Pergunta: O que nós fazemos para ajudar a maior parte do mundo?

Sri Chinmoy: É de um que nós podemos ir a muitos. Se você pode inspirar uma pessoa, então aquela pessoa inspirará alguém mais. Este é o modo que o mundo se desenvolve. O Cristo foi somente um indivíduo, mas sua Luz tem inspirado milhões e milhões de pessoas. Quando um Mestre espiritual inspira seus discípulos, os discípulos inspiram relativamente um pouco mais. Neste modo sua consciência se propaga.

 

O filho de Deus, Jesus Cristo, esteve na terra durante trinta e três anos. Somente durante os últimos três anos de sua vida ele realizou milagres. Você acha que o mundo ainda adora e o louva só porque ele poderia caminhar na água ou ressuscitar um homem morto? Não, não é por causa de seus milagres que ele ainda é louvado, mas porque ele trouxe a Consciência eterna, a Consciência infinita. Sri Ramakrishna praticamente não realizou nenhum milagre e havia muitos, muitos outros Mestres espirituais que não efetuaram milagres. Eles sentiram que realizar milagres no plano físico seria infantil em comparação com aqueles que eram capazes de fazer no plano espiritual, na região do coração, na região onde está paz infinita, luz e permanente bem-aventurança.

 

Todos os grandes Mestres espirituais – Krishna, Buddha, Cristo e assim por diante – realizaram a mais elevada Verdade. Mas quando quiseram oferecer ao mundo as suas próprias realizações, o mundo fez escárnio deles. Realizar a Verdade é uma coisa, mas manifestar a Verdade é outra. Em se falando de realização, eles eram perfeitos, mas ao se tratar de manifestação, a maioria dos Mestres espirituais não foram aceitos. A consciência-Terra negou a riqueza interior que eles possuem. Até mesmo alguns discípulos dos Mestres os traíram ou não os ouviram. E por que a consciência-Terra se revolta quando está para receber algo divino e preenchedor? É porque ela deseja permanecer em limitação e ignorância. O camelo come o cacto e sua boca sangra. Mas, passadas poucas horas, o mesmo camelo novamente come cacto e de novo sua boca sangra.

Deus quer que nós sejamos perfeitos e verdadeiramente satisfeitos. Porém, se procurarmos em nosso interior profundo, veremos que estamos satisfeitos com nossos prazeres, desejos, consciência limitada, inveja, dúvida, medo e pensamentos negativos. Seres humanos como tais não querem alegria verdadeira. O que desejam é prazer, que é algo muito diferente. Estando nós satisfeitos com algo não-divino, como poderemos culpar Deus? Como podemos dizer que Ele não está nos dando a coisa certa? Precisamos saber e sentir que Deus está fazendo tudo por nós. À hora escolhida Dele, Ele nos dará a realização suprema. Quando aspiramos e entramos no mais elevado, é Ele quem nos leva até nossa destinada Meta. E, se não queremos fazer isso, Deus diz: “Durma, Minha criança, durma. A hora não chegou para você.”

Olhe ao redor e veja quantas pessoas realmente desejam Deus. A maioria não tem cinco minutos diários para meditar em Deus. Os dias se tornam semanas, que se tornam meses, e eles não meditaram por sequer cinco minutos. Deus vem por último em suas vidas. Quando alguém está para morrer, ele pode clamar: “Deus, Ó Deus, Ó Deus!” Mas, além desse caso especial, quantas vezes entoam o nome de Deus? E quantas vezes por dia as pessoas repetem o nome de seus próprios filhos? É Deus o nosso Filho Divino, Aquele que traz a mensagem da Perfeição, e não as pessoas sobre as quais passamos o dia pensando.

No mundo exterior nós vemos limitações, imperfeições, dúvida, temor e morte. Mas no mundo interior vemos Luz, Paz, Felicidade e Perfeição. Quando conscientemente nos identificamos com e vivemos na Consciência de Deus, não existem imperfeições. Tudo é perfeição. Se todavia não vivemos na Consciência Divina, seremos naturalmente amarrados à imperfeição do mundo exterior. Um buscador do Supremo, vivendo no Supremo, sendo um com o Supremo, vê e sente que sua vida e consciência, tanto interior quanto exterior, são projeções da sempre-transcendente Perfeição de Deus, a qual está se tornando perfeita Perfeição.

O mundo de realização e manifestação podem ser estabelecidos apenas através da força de nossa aspiração. Havendo aspiração no coração, a perfeição em algum momento se firmará. Somente quando cada indivíduo desejar cantar a canção de Infinidade, Eternidade e Imortalidade é que Deus poderá oferecer aqui na Terra a mensagem da Perfeição. Apenas se aceitarmos Deus como muito nosso é que Deus poderá nos dar o que Ele tem e o que Ele é.

 

A devotee always remains in the breath of his sweet Lord. For him there is no true fall, no destruction, no death. How he has apparently failed, or why he has failed, can be only his surface story. His real story is to be found in his ever-cheerful persistence, in his ultimate victory over ignorance, in his absolute oneness with the Supreme. Let us recall the significant utterance made by Jesus:

 

“Martha, I am the resurrection and the life; he who believes in me, though he die, yet shall he live, and whoever lives and believes in me shall never die. Do you believe this?” Martha said to Jesus: “Yes, Lord, I do believe.

 

Por quanto tempo mais chorarei, Mãe?

Por quanto tempo chorarei

Sozinho num quarto escuro, amando Você?

Você conhece meus pensamentos secretos,

Você conhece o anseio do meu coração.

Por que a negra morte me tortura, dia após dia?

Quanto mais Você demorará, Mãe?

Quanto mais Você demorará?

Assim como Jesus tinha Maria,

Você é a minha Mãe-Mundo.

 

Question: How can we understand the suffering of Jesus on the Cross when he said, “My God, my God, why hast Thou forsaken me?”  

Sri Chinmoy: Jesus was the Messenger of Truth, the chosen Child of God. He sacrificed everything for the world. He wanted to illumine the world. He wanted this physical world to be totally one with the world beyond. He said the Kingdom of Heaven will be established here on earth. He wanted to unite Heaven and earth. The world offered in return ignorance and ungratefulness to the Son of God.

While he was making his supreme sacrifice for the world, he became totally one with the vast ignorance of the world. When he said, “O God, why have You forsaken me?” it was the physical in him which had come to the fore. At his last moment, he became totally one with the physical world. It was first his acceptance, and then finally his oneness with the world that made him feel this great sorrow.

I have concentrated deeply on this utterance, and I know at that last fateful moment it was the man in the Christ that spoke to the Superman in him. It was his finite life that was praying to his infinite life. Those who want to understand that utterance can do so only by realising that Jesus accepted the world, became part and parcel of the world and became the spokesman for the world.

 

Trechos da peça “O FILHO”

Ato I – Cena I

 PAI : Meu filho, eu tenho um excelente plano, o qual desejo compartilhar com você. Eu quero que você desça à Terra e realize a mais importante tarefa.

 

FILHO : Pai, meu Pai, essa é uma idéia esplêndida!

 

PAI : Você sabe, trabalhar pela Terra e para transformação da consciência-Terra, é uma tarefa inimaginavelmente difícil.

 

FILHO : Mas Pai, eu não quero perder esta oportunidade única; além disso eu sei perfeitamente bem que você, meu Pai, irá inundar minha peregrinação terrena com capacidade. Desde que eu não tenho nenhuma hesitação, não posso suportar mais nenhum adiamento.

 

PAI : (com um largo sorriso) Filho, você ficará na Terra por 33 anos!

 

FILHO : Somente 33 anos! Como então irei cumprir minha missão?

 

PAI : Filho, você pode e você irá. Filho, na Terra algumas pessoas andam, enquanto outras marcham e ainda outras correm. No seu caso, você não somente correrá o mais rápido, como também manifestará o mais Alto. Filho, o seu corpo irá permanecer na Terra por 33 anos, mas a sua Consciência irá guiar a Consciência-Terra para sempre. Filho, você dirá ao mundo que você é o caminho, e também a meta.

 

Filho : Pai, você acabou de me jogar num mar de confusão!

 

Pai : Por quê meu filho? Como meu filho?

 

Filho : Krishna, Buddha e outros me precederam Pai e eu estou certo que depois de minha partida, haverá outros que irão me suceder. Nesse caso como eu poderei dizer ao mundo que eu somente sou o caminho e a meta?

 

PAI : Meu filho, quando eu disse você, o que Eu realmente quis dizer foi aspiração. Quando Eu disse você, o que eu realmente quis dizer foi salvação. Você incorpora aspiração, o caminho e você incorpora salvação, a meta. Você É a aspiração e a salvação que irão me servir, manifestar e satisfazer na Terra. Filho, a minha filosofia está clara para você agora?

 

FILHO : Mais do que clara. É dispensável dizer que foi a Sua Compaixão que tornou-a clara para mim.

 

PAI: Eu estou feliz que você tenha me entendido. Estou feliz que você esteja indo revelar-me na Terra. Estou feliz que você esteja indo manifestar-me na Terra. Eu estou feliz que você esteja indo satisfazer-me na Terra. Lembre-se que você é meu instrumento. Nimitta matram bhava savyasachin.

 

FILHO : Pai, em que linguagem você está falando? Soa um pouco estranho, entretanto é tão encantadora!

 

PAI : Ah filho, você não conhece essa língua? É o sânscrito e o que eu acabei de dizer foi um ensinamento dado por seu irmão Krishna. Ele falou ao seu mais querido discípulo: “Ó Arjuna, torne-se um mero instrumento meu.” Você também irá dizer a seus discípulos a seus queridos para se tornarem meros instrumentos. Filho, eu te direi algo que irá fasciná-lo ou no mínimo diverti-lo. Durante sua estada na Terra, você irá para aquela parte do mundo onde as escrituras em sânscrito estão sendo ensinadas. Você irá aprender muito delas e irá ficar nesta parte do mundo por um ano. Esse ano será o mais marcante na sua vida interior.

 

FILHO : Quão estranho é o sânscrito! Quão doce é o sânscrito! Pai você poderia gentilmente repetir o que disse em sânscrito?

 

PAI : Nimitta matram bhava savyasachin.

 

FILHO : Obrigado Pai. Eu sei que sou apenas um humilde instrumento seu. Isso é tudo.

 

PAI : Filho, você conhece o supremo segredo e esse supremo segredo é a humildade. Sua humildade irá coroá-lo com o triunfo transcendental. Filho você me compreende e Eu te compreendo, mas o mundo não o entenderá. Você dará a humanidade o que você tem e o que você é : Amor, Atenção e Interesse e Compaixão em medida infinita. Entretanto o mundo não o compreenderá. Alguns seres humanos inimaginavelmente obscuros e não divinos irão matá-lo.

 

FILHO : Eles irão matar-me! Por quê? Como?

 

PAI : Por quê? Porque eles são ignorantes.

Como? Eles irão crucificá-lo.

 

FILHO : Crucificar-me? Você fala sério, Pai?

 

PAI : Sim filho, infelizmente sim. Mas filho, você sabe perfeitamente bem que é somente o corpo que é destruído e não a Alma     . A Alma é imortal. O pássaro-alma naturalmente voará de volta à sua origem divina quando a gaiola for destruída.

 

FILHO : Pai, eles são pessoas tão ingratas!

 

PAI : Filho, a gratidão ainda não nasceu na Terra e Eu não sei se algum dia nascerá. Mas você não deve pensar que eu o terei abandonado na hora de sua crucificação. O humano em você irá pensar, mas não o divino. Desde que você esteja tomando uma encarnação humana, deve agir como um ser humano às vezes. De outra forma não haveria o jogo. Caso contrário as pessoas irão sempre ver uma distância enorme entre a sua vida de Pureza e Luminosidade e a vida de impureza e obscuridade delas; e ao perceber isso elas nunca iriam tentar transcender suas consciências Terra-limitadas. A Luz deve descer à escuridão. Somente assim a Luz pode transformar e iluminar a escuridão. Nào há outra maneira. Para transformar a consciência da humanidade você tem que se tornar uno com a humanidade. Você deve se tornar parte e parcela da humanidade. Você terá que agir algumas vezes no mesmo nível deles, de acordo com o limitado entendimento deles. Meu filho, não há outro jeito. No final de sua jornada, o humano em você irá dizer: “Pai, por quê você me abandonou?” o divino em você irá dizer: “Pai, perdoe-lhes, pois eles não sabem o que fazem!”. Eu asseguro a você meu filho, que o humano em você que estará morrendo será imediatamente confortado por mim e será muito bem cuidado por mim. O divino iluminado em você, não somente o imortalizará mas também apressará Minha total manifestação na Terra.

 

[1] * Swami Nikhilananda, Vivekandanda: Uma Biografia, Calcutta, 1987, p. 67.

[2] * Swami Vivekananda, The Yogas and Other Words, Swami Nikhilananda, ed. New York, 1953, p. 420.

Páginas relacionadas